Publicado em

Informe

ABGALVA informa

Empresas são importantes.
A União Europeia abriu uma investigação antitruste sobre as práticas da fabricante de bebidas Anheuser-Busch InBev no mercado de cerveja da Bélgica.
“Queremos ter certeza de que não existem obstáculos anticoncorrenciais ao comércio de cerveja dentro do Mercado Comum Europeu” !!??
Ora, qual a importância ou pertinência?
Só na Alemanha existem 1.350 cervejeiras e 5.000 marcas de cerveja.
Na Bélgica, 1.500 tipos de cerveja, dentre as quais, a “delirium tremens”.
Ótimo, cerveja é importante, mas neste momento estamos preocupados com o alto preço do zinco praticado no mercado interno, à vista da existência de um imposto de importação de 8% para países de fora da ALADI/MERCOSUL, e ante ao fato concreto que não é possível obter oferta dos países parceiros em um claro obstáculo para proteger o produtor local e seus interesses.
Ora, se podemos comprar mais barato nos países vizinhos, ou mesmo importar dos estoques do LME zinco de procedência brasileira ou da América Latina, e não conseguimos oferta, apesar da constatação da existência do mesmo nos estoques, pergunto qual é o significado ou a mágica?
Participa ou tem o LME conhecimento de tal?
Nosso dinheiro vale menos que o de outros?
A única resposta plausível é a existência de fácil comprovação de um truste que permite a cobrança de elevado prêmio no mercado local, incompatível com qualquer mercado ou com os princípios da livre concorrência.
Diria mais, em razão do custo do zinco estamos perdendo mercado para produtos importados.
Assim, pouco importa se monopólio ou truste, o objetivo é reduzir o imposto de importação a terceiros países de forma a prestigiar a produção local com prêmio justo.
A exemplo LME mais frete.
Queremos ter certeza de que não existem obstáculos anticoncorrenciais ao nosso mercado de zinco.
Não temos milhares de produtores de zinco no mundo, e no Brasil só existe um.
São poucos os sabores para degustação e nossa indústria já se encontra em fase de “delirium tremens” verdadeiro, pela perda de competitividade.
Temos que começar nossa jornada em busca de melhores preços e condições, fazer chegar ao governo a realidade da distorção do preço final praticado pelo único produtor local em detrimento da indústria que utiliza zinco.

Deixe uma resposta