Publicado em

ALGORITMOS CONFIÁVEIS

ABGALVA informa

O Brasil, com a sua imensa área territorial e os seus 7.500km de litoral ensolarados, deixa de explorar a gratuita benção solar, e curva-se à corrosão que representa 10% da produção anual de aço no País, e quem aproveita ambos, são os chineses.
Sim, apesar da imensa distância geográfica,  por não respeitarem as regras da OMC  Organização Mundial do Comercio;  da OIT Organização Internacional do Trabalho; e da OMS Organização Mundial da Saúde; por terem incentivos diretos e indiretos;  por não terem o peso dos encargos trabalhistas e serem considerados escravocratas; por terem necessidade em novos mercados; e,  etc…etc…etc…, conseguem colocar no  país produtos, as vezes com qualidade igual aos nossos, mas nunca superior,  a preços, de uma forma ou outra, aviltados.
Temos que prever e ser proativos para enfrentar a concorrência desleal que o setor de galvanização enfrenta.
Nossa matéria prima é cara, nossos encargos são elevados, nosso custo social idem, e o ambiental, desconcertante.
Hoje os algoritmos podem prever epidemias; alta de preços;  aumento de vendas;  ataques terroristas;  e,  até explosões solares ou colisão de astros.
Temos que nos dedicar às previsões e pleitos para enfrentar a concorrência desleal, os monopólios e os cartéis.
Não adianta criar novos mercados para terceiros usufruírem.
Talvez o ano de 2017 seja um ano perdido e injusto, mas é um ano de reafirmação do setor de galvanização e devemos usar de todos os meios lícitos para baixar custo, aumentar a produtividade, eliminar encargos desnecessários e impedir a concorrência predatória.
Vamos criar os nossos algoritmos, e acompanhar a evolução do mercado através da tecnologia em substituição ao “achismo” e ao desconforto do desanimo pois é na crise que nos reorganizamos e encontramos novas respostas.

Deixe uma resposta